A MOTIVAÇÃO AUTODETERMINADA PARA A PRÁTICA DO TRAIL RUNNING

L. Coelho, N. Amaro, R. Matos, P. Dias, P. Morouço

Resumen


O estudo da motivação para a prática desportiva é um aspeto determinante para a sua compreensão. Algumas pessoas apresentam um perfil motivacional que lhes permite ir mantendo esse comportamento desportivo, enquanto outras, à primeira experiência de insucesso, desistem (Steinberg & Maurer, 1999).
Os responsáveis pela promoção da atividade física e desportiva acreditam que a motivação intrínseca é o aspeto chave na manutenção de boas performances e envolvimento desportivo (Fernandes et al., 2004). Todavia, a dicotomia intrínseca-extrínseca é muito simplista e redutora para a compreensão da motivação, pela qual uma perspetiva autodeterminada diz que a motivação pode ser caraterizada de formas mais compreensivas, considerando um continuum do mais autodeterminado ao menos autodeterminado (Deci & Ryan, 1985).
Objetivo: Analisar os fatores reguladores da motivação autodeterminada para a prática do Trail Running.

Palabras clave


prática desportiva; Trail Running; motivação autodeterminada

Texto completo:

PDF


 

E-Balonmano.com: Revista de Ciencias del Deporte

Mail: ebm.recide@gmail.com

ISSN: 1885-7019 / Periodicidad Cuatrimestral

 

Indexada en:

EMERGING SOURCES CITATION INDEX (WOS), DICE, INRECS, MIAR, RESH,  CIRC, LATINDEX (36 criterios), ISOC, REDALYC, DIALNET, E-REVISTAS, RECOLECTA, DULCINEA,  Index COPERNICUS, DOAJ, GOOGLE ACADÉMICO, FREE MEDICAL JOURNAL, EBSCO: SportDiscus, Academic Journal Database, Fuente Académica Premier, GENAMICS - JournalSeek

Licencia de Creative Commons

Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.